quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Mulher brasileira.



 A maior agência de advocacia do Rio de Janeiro indicou seu advogado mais jovem para cuidar dos negócios locais do senhor Edmundo, de volta à cidade maravilhosa Edmundo se encontra com seu novo advogado na famosa rede de fast food Cheesechickens Hermanos, eles se acomodam junto às janelas em uma mesa que lhes permite uma visão privilegiada da turística praça fluminense:

- Olha lá jovem doutor, olha aquela mulher, de certo ela é brasileira, brasileiríssima! É por isso que eu digo que essa é uma terra abençoada!

- Perdão senhor, mas estamos no Brasil, por que ela não seria brasileira?

- Eu que te pergunto, por que ela não seria brasileira? Poderia ela não ser brasileira? Seria possível haver no mundo terra tão fértil capaz de germinar fruto tão doce?

- Não me entenda mal senhor...

- Me responda moleque! O que te faz pensar que aquela moça logo adiante parada do outro lado da rua não seja brasileira? Observe o desenho daquelas pernas, a sinuosidade... 

- Boa tarde, meu nome é Renata, bem vindos ao Cheesechicken! Posso ajudá-los?

- Um conhaque, e pra ele uma limonada, muito obrigado!

- Veja moleque! A perfeita sinuosidade entre cintura, quadris e coxas, veja que linda pele branca castigada por esse sol tropical...

- Ela realmente é muito linda...

- Sim! Consegue ver? Olha só a corpulência!

- Senhor, a maioria das mulheres que passam por essa praça são brasileiras, afinal estamos no Brasil, boa parte delas não correspondem ao nível de beleza da moça do outro lado da rua, considerando que aquela moça do outro lado da rua poderia facilmente ser confundida com uma turista estrangeira em meio as tantas brasileiras que aqui estão, isso por estarmos em um cidade turística e por ela possuir pele branca e cabelos loiros, o fato dela estar vestida com a camisa do tricolor paulista não a torna brasileira, ser brasileira não é sinônimo de padrão de beleza, logo, seu ufanismo por essa pátria no que tange as mulheres não se justifica.

- Menino, antes de considerar seu ponto de oposição às mulheres dessa nação, considere a diversidade étnica espalhada pelo globo terrestre, considere as regiões mais remotas desse planeta, os idiomas mais complexos, os ritos e comportamentos, a diversidade cultural; agora imagine a fusão de tudo isso, a união dessas raças, a junção de todos os costumes culturais existentes nesse planeta, ao imaginar isso, o cenário mais próximo dessa imaginação seria a república federativa do Brasil, ao visualizarmos a união de todos os povos o cenário mais provável seria algum lugar aqui no Rio de Janeiro, não obstante a essa hipotética representação, o Brasil é o país com a maior diversidade cultural e racial do mundo, é conhecido como o país da miscigenação, existe portanto aqui no Brasil a fusão genética de todas as mulheres do mundo, aqui nesse país existe o privilégio de contemplar a junção da nata racial, seja de modo distribuído ou até mesmo em uma única mulher, e são nesses motivos que reside a graça desse país, apenas na mulher brasileira é possível encontrar todas as qualidades estéticas numa tacada só, resta agora entender o porquê desse seu desprezo pela mulher brasileira.

- Não Senhor, não seja injusto, não estou desprezando, não se trata de desprezo, apenas não compartilho da idéia de um padrão que regule a beleza dos seres, pois o conceito de beleza é algo bem particular...

- É bom deixar claro que a conversa iniciada aqui é especificamente sobre a mulher, mas já que tu levas a conversa pra outro caminho, não vou mais me prender nos valores estéticos, porém, antes de tratarmos dos negócios, continuaremos a falar da mulher.

- Eu assim prefiro, falar de beleza estética é algo irrelevante.

- Pois bem menino, olhe novamente para aquela bela loira, já que você prefere ignorar os belos traços daquela moça vamos tentar nos desprender daquelas pernas, tentemos ignorar o desenho daquela boca, pois mesmo dessa distância é possível perceber a força de seus traços.

- Sim, o que tem de mais naquela menina além de um corpo e um rosto bonito?

- Com licença senhores! -A garçonete interrompe o diálogo e serve as bebidas-

- Veja bem meu jovem, para que eu não lhe desfira um tapa na cara com lado de fora da mão, permita-me antes dar um gole nesse conhaque para privá-lo dessa desnecessária agressão, pense no que acabei de dizer acerca da diversidade racial e cultural difusa aqui no Brasil, pois bem, da mesma maneira que aquela moça foi abençoada esteticamente por ter uma ascendência multirracial ela também pode ser considerada abençoada por herdar valores e costumes de múltiplas culturas...

- Me parece que agora o senhor irá falar de algo que realmente valha a pena...

- Acredite meu jovem não há tema mais valioso do que o tema inicial dessa nossa conversa, devo dizer que a vontade de desferir o tapa está voltando, mas não se preocupe prometo que vou me conter, então pra evitar a barbárie voltemos a considerar a grandeza daquela bela saopaulina logo adiante, aquela moça ali claramente goza de um privilégio comportamental raro de se encontrar fora desse país...

- O senhor diz isso baseado na idéia da brasilidade inerente àquela mulher?

- Isso! Exatamente isso, o trato da brasileira é profundamente singular, de uma sensualidade incomum, há um verdadeiro calor na interação com a mulher brasileira, é algo vivo, elas são munidas de um cinismo poderoso, um feeling acima do comum, o jargão “jeitinho brasileiro” se justifica em várias frentes, pois das brasileiras podemos esperar desde o mais profundo altruísmo a eficácia da vigarice... Receio que essa rara capacidade da mulher brasileira se sustente nos tantos hábitos culturais e comportamentais herdados em virtude da miscigenação.

- É um teoria inegavelmente válida, cheia de sentidos, contudo...

- Chega de poréns! Irei te dar um exemplo prático pra justificar a verdade sobre tudo isso... Pegue sua limonada e a beba levemente em um único gole, em seguida me descreva a sensação.

- A sensação refrescante é a mais marcante, seguida de uma agradável e sutil acidez adocicada, delicioso!


- Essa sensação sentida é como beijar uma argentina, mesmo com um ligeiro azedume não deixa de ser deliciosa, é como lamber uma inglesa, ainda que fria não menos doce, bem como as italianas e colombianas, tão ácidas quanto sutis...

- Moça por gentileza me traz mais um suco de limão...

- Não senhorita, não traga nada, traga a conta por gentiliza.

- Sim senhor!

- Como assim “traga a conta”? Acabamos de chegar, não definimos nada ainda...

- Agora beba esse conhaque numa golada só e descreva a sensação.

- Aarrrgh! A única coisa que tenho a dizer é que isso é muito forte e tem um gosto horrível!

- Errado, esse conhaque é igual a mulher brasileira, macio, tantos são os sabores inerentes a essa bebida, sabores que vão sendo descobertos ao longo de sua apreciação, quem não está preparado pra um bom conhaque certamente será queimado pela sua força, assim como a mulher brasileira, esteja pronto ou ela lhe será seu maior terror, todavia, aqueles que souberem apreciar os prazeres ligados a ela sentirão a verdadeira embriaguez, sentirão o poderoso elixir feminino capaz de embriagar até Deus no alto de sua onipotência.

- Perdão senhor, mas não entendo onde queres chegar...

- Jamais esperei que fosse entender, não há mais nada a dizer, me perdoe, mas não posso mais me conter.

Edmundo se levanta defronte pro jovem doutor Lucas: 

SNAP!!! (com o lado de fora da mão) e em retirada finaliza:

 - Tenha uma boa tarde! Fique com a conta e mande saudações ao doutor Saul.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Nunca vi "menino" ter querer


Mr. Waters, semente para gerações futuras, foi falando brasileiro que Zeca aprendeu a embolar, a nova safra de malandros entristece Buarque, o pouco rock aqui encontrado repele Belchior, esses aí não migram em volkswagens, vão de Cadillacs, vão em caminhões de zepelim, no último pau de arara Gonzaga trovejou acordes dissonantes em alento aos passageiros, Dixon produziu com sua poesia estrelas do rock, o Crossroads Center recupera os perdidos, Buddy Guy compôs o poderoso time da Chess, Dio canta o caminho, Page encanta o caminho, Ray Vaughan desencanta e caminha, Wolf uiva, Raimundo Nonato não meche com carneiro,  Little Walter fez coisas proibidas, o Hoochie Coochie man conquistou a trilha de John o conquistador.

Muddy Waters eletrificou o blues, Zeca embalou o coco, Buarque bateu uma bola, Belchior alforriou ricos acordes, Gonzaga saracoteou a casa do Zé, Dixon orquestrou o time, Buddy Guy provocou os tímidos, Dio emancipou o fogo, Page disse não ao cinema, Stevie invocou a morte, Howling Wolf conheceu a morte, Raimundo Nonato rasgou o cachorro preto, Walter Jacobs largou a Pepsi cola.

Todo esse jogo de bola Mané, tem que ser de coração, livre com a bola no pé, vejo um ataque de cão, olho para o seu José, lanço para o meu irmão, ele domina olé, deixa o zagueiro no chão.

Isso tudo dá fim ao ócio, dá fim à prazerosa preguiça, já não se pode mais repousar na emoção, o caminho tem que ser mostrado para as novas gerações, frente a frente com os pequenos discípulos, há um tabuleiro que mostra os caminhos, com endereços, indicações, tais preceitos ensinarão aos bons meninos as coordenadas, os becos, os caminhos mais remotos, os atalhos mais próximos, depois de doutrinados, se depararão com o rock de doer cacunda, nessa dor eles serão aprovados, aceitos e promovidos,por fim, conforme o ciclo, serão removidos pelos novos prodígios.

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Vem pra misturar.


Em 73 a.C a casa de Batiatus possuiu grande fama na comuna de Cápua, conhecida por ser uma casa que proporcionava a seus convidados e hóspedes grandes prazeres, Batiatus tinha em seus domínios os melhores gladiadores da península Itálica, isso no campo do entretenimento permitia a Batiatus dar a seus convidados o melhor espetáculo que se poderia ter na época, sua adega comportava os vinhos mais nobres cultivados na região da Campânia, os aposentos de seu palácio foram confeccionados a fim de criar um ambiente lascivo, dando assim o devido conforto aqueles que buscavam os deleites da carne.

Em 1920 Aleister Crowley fundou a Abadia de Thelema, os moradores dessa abadia cultivavam os seus desejos, faziam tudo o que queriam, praticavam todos os anseios, procediam conforme a lei de Thelema, "Fazes o que tu queres pois é tudo da lei", de tal modo, os discípulos de Mr. Crowley dispunham de total liberdade filosófica e religiosa nas mediações da abadia, tais princípios foi a razão da construção da Abadia de Thelema no sul da Itália a fim de propiciar a seus discípulos a liberdade proposta em seus ensinamentos.

Diversas celebridades que compartilham da amizade de Chico Buarque de Holanda, de pessoas que dividiram o convívio com o grande Chico, relatam sobre a grande espirituosidade que envolve a casa onde chico foi criado, "lá se respira o futebol clássico, as artes plásticas configuram o cenário de modo espontâneo", amigos de infância falam acerca dos ensinamentos transmitidos pelo historiador Sérgio Buarque, pai de Chico, das experiências de grande valor cultural assimilados no ambiente onde Chico Buarque foi educado, permitindo assim que o talentoso e boêmio Chico pudesse desenvolver suas grandes obras. 

Os princípios morais e éticos que são transmitidos hereditariamente não são os únicos responsáveis pela formação do ser, tanto a educação acadêmica, quanto o convívio em outras casas, com outras famílias de valores comportamentais diferentes também contribuem com a formação moral e comportamental dos seres, os preceitos familiares assimilados em outros lares gozam de grande força de influência por se tratar de algo novo, de um novo conhecimento, com isso é possível dizer que a capacidade dos seres dependem necessariamente das experiências que tiveram ao longo da vida, dos lugares por onde andaram, das personalidades com as quais conviveram, afinal do novo ambiente, da nova companhia nascem as possibilidades de se aprender algo novo, pois distintos ambientes dão distintas lições.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Guerra Santa.

Clique na imagem para melhor visualização.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Bem x Mal


Clicar na imagem facilita a visualização.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Chapadão de Glória.



Clicar na imagem facilitará a visualização.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Força Arbitrária.




 É possível julgar e condenar aquele que decidiu se embriagar e dirigir e que através de tal ato, vidas foram tiradas, é possível culpar o estuprador que violentou a menor de idade impingindo à vítima uma gravidez indesejada, todavia, a culpa atribuída aos infratores é invalida de acordo com determinadas crenças, ora, se considerarmos a definição de destino e a concepção daqueles que no destino crê, toda a ação seja ela falha ou honrada é desmerecida, pois tais ações foram determinadas antecipadamente por uma força maior, prendendo assim o agente do delito ou da boa ação a algo já fadado a acontecer, no caso do estupro, antes mesmo da fundação do mundo, o Deus revelado no livro dos Gênesis já chamava essa criança fruto do estrupo pelo nome, antes mesmo que a criança se formasse no ventre de sua mãe esse Deus já sabia de sua futura existência, o mesmo vale para o pai da criança (o estuprador) que antes mesmo do seu nascimento num berço de ouro em um nobre palácio, antes mesmo da fundação do mundo, Deus já o chamava de filho, esse exemplo dado, mostra que crenças ligadas à profecias, calcadas no conceito de predestinação, livram todos os seres de suas culpas, retiram o mérito de heróis, ao passo que, os acontecimentos já estavam escritos e determinados, permitindo dizer que os acontecimentos são de responsabilidade dos autores, pois os personagens componentes desse universo escrito por uma força maior são incapazes de mudar o curso da realidade da qual eles foram forjados, logo, são imunes de culpa.

 Haverão aqueles que de modo desconexo irão justificar suas crenças na teoria do livre arbítrio,  entretanto, o Deus que concedeu aos seus subordinados o poder de decidir por si mesmo, de escolher o próprio caminho, é o mesmo Deus que sabe do futuro, que por ser onisciente sabe das tragédias, dores, felicidades e prosperidades que recairão sobre suas criaturas, seja um fim de felicidade ou de dor, esse Deus através de sua onipotência tem a ciência absoluta de tudo o que aconteceu, acontece e acontecerá, logo, o suposto livre arbítrio nunca foi concedido, nunca existiu, pois de modo incontestável, onde há predestinação não há livre arbítrio, portanto, se existe um ser superior capaz de ver o futuro, por uma questão óbvia e exata, impossibilita a capacidade de escolha, pois o que passou, o que se passa e o futuro já estão escritos.

 Cabe então decidir, crer no destino e admitir que tragédia ou glória, sejam elas presentes ou futuras, não dependem das próprias forças para que elas venham, ou cabe pensar no Acaso e saber que glória e tragédia virão, não se sabe como, e a beleza da dúvida é que faz do jogo mais interessante.

terça-feira, 7 de maio de 2013

Mama!




  A concepção de que a mulher é o sexo frágil diverge com o papel ao qual ela foi incumbida, considerem a importância da figura materna, a imprescindível presença fundamental pra formação do ser, presença de caráter protetor, proteção transmitida ao filho lhe assegurando dos males reais e irreais, o afã materno em amar seus filhos transcende inspirações, é maior que a máxima adrenalina, puramente instintivo de profundeza animal. Incondicional.

  Rhea conhecida como a mãe dos deuses, mãe de Hades, Démeter, Héstia, Hera, Poseidon e Zeus, se opôs ao seu marido Cronos em favor da vida de seus filhos, Maria de Nazaré, conhecida como a virgem Maria, mesmo sabendo que seu filho Jesus era um Deus ainda que menino, ficou profundamente angustiada e preocupada com o desaparecimento do menino Jesus durante as festividades da páscoa em Jerusalém.  Mães ainda que “frágeis” movem-se em proteção aos filhos, mesmo que estes sejam suficientemente fortes ou até mesmo deuses, é mais que incondicional é sobrenatural.

Mães ainda que tenham seus filhos submetidos ao relativo fracasso, inexplicavelmente desenvolvem orgulho verdadeiro baseado nas desconhecidas virtudes de seus filhos, ainda que não haja virtudes, certamente haverá algo que justifique tamanha apreciação.

 O famoso sinal feito com as mãos, símbolo do rock, foi instituído e popularizado no Heavy Metal através da avó de Ronnie James Dio, a Grande Mama preocupada com a proteção de seu neto, o ensinou a fazer tal movimento a fim de repelir o mau olhado, é recomendável então as futuras mães que solicitem consultoria as mães do rock, seria sensato indagar à Senhora Page quais eram os elementos que ela acrescentava na comida de seu menino, talvez ali estejam os ingredientes que permitiu a Jimmy Page invocar raios e trovões através de sua poderosa guitarra, seria sábio as futuras mães copiarem os métodos pedagógicos da senhora Young, progenitora de filhos enérgicos, os irmãos Malcom e Angus controlam a eletricidade através de seus reefs, talvez tenha sido o severo método pedagógico da mãe Young que tenha conduzido seus meninos ao grandioso sucesso.

 Basta Imaginar a mãe de Zinedine Zidane no instante do golaço de voleio que ele fez na final da champions league de 2002, possivelmente ela não se conteve, possivelmente tomada por uma euforia desenfreada, desse ponto,  tanto a destreza de Zidane como os tenebrosos solos em penta-blues-menor dedilhados pelos sofridos dedos de Tommy Iomi, são resultados de talento somado com trabalho duro, e é bem possível que essa dureza tenha sido adquirida no seio materno.

 Portanto, às mães que militam e pelejam pelos seus filhos, lhes dou meus sinceros parabéns por serem instintivamente animais e incondicionalmente sobrenaturais na luta por seus descendentes, devemos a vocês todo o talento que há por aí nesse mundo transmitido através de suas crias.

Parabéns mamães!

terça-feira, 30 de abril de 2013

Boteco, a verdadeira rede social




 Muitos empreendimentos perderam mais de 70% de suas receitas, alguns até caíram em obsolescência a partir da força difusora da Web, podemos citar a indústria cinematográfica que tem atualmente seu faturamento baseado apenas nas bilheterias das salas de cinema, a eficiência, qualidade e a facilidade ligada ao download, destruiu a indústria de mídias compactadas em discos, não haverá quem ouse nos dias de hoje investir por exemplo em uma vídeo locadora, é improvável que um músico contemporâneo sobreviva apenas com a venda de discos, esses sãos práticos exemplos daqueles que foram lesados pelo magistral benefício propiciado pela World Wide Web, podemos também considerar o grande prejuízo que escolas de idiomas, conservatórios de música, dentre tantas outras instituições de ensino técnico que outrora faturavam fortunas através do serviço que essas prestavam a peso de ouro, hoje contudo, os usuários internautas optam por uma nova alternativa mais prática e gratuita, pois esses têm disponíveis gratuitamente no You Tube, o maior site de compartilhamento de vídeos do mundo, vídeo aulas de diversos segmentos, vídeo aulas eficazes capazes de formar escultores, luthiers, mecânicos e até terroristas, desse ponto, é possível afirmar que a força da internet igualou condições aos interessados e sedentos por conhecimento.

 Podemos também louvar o grande benefício das redes sociais, elas aproximaram os hemisférios, através de suas ferramentas multimídias pôde estreitar as relações sociais, uma grande ferramenta de entretenimento e interação coletiva, eficaz em diversos sentidos, todavia, o grande vilão das redes sociais é exatamente sua qualidade, pois suas funções são tão dinâmicas que restringe o usuário ao seu uso abusivo, de modo que a obsessão causada em seus usuários os afasta da real e verdadeira relação social, criam personas virtuais incapazes de interagirem de modo humanamente palpável.

 Na tela do Facebook usuários postam belas fotografias artisticamente editadas, capazes de denotarem a beleza Intrínseca a eles, já no balcão do bar, contemplamos a profunda timidez ligada a esses mesmos usuários, timidez essa que diverge com a imponência de suas fotografias, tais fotografias demostram personagens admiráveis dignos de louvor pelo caráter demonstrado através das belas paisagens que os envolvem, já as mesas de bar contrariando o clima promovido pelas paisagens virtuais, revelam que a presença desses seres carecem de qualidades para embelezarem o agradável ambiente do botequim, por assim ser, grandes personagens das redes sociais fazem jus a condição virtual que lhes qualifica, pois na órbita do real, do palpável, onde o tato e o olfato se fazem necessário a fim de promoverem o verdadeiro prazer, esses seres virtuais certamente causarão decepção na real relação social.

 Por assim ser, a melhor maneira de escapar das fraudulentas personalidades existentes nas redes sociais, é trocar as relações virtuais pelas relações reais, trocar os teclados pela pele, trocar web-cams por lábios, trocar mouses por mãos, trocar os fones de ouvido pela música ao vivo, trocar fotografias pela profundidade do olhar, trocar o diálogo escrito pelo cheiro de mulher, trocar os games pela embriaguez, trocar a troca de arquivos pela troca de idéias “face to face”, afinal, a verdadeira essência do ser é impossível de ser transmitida através de informações documentadas nos mecanismos multimídia das redes virtuais, porém, sem desconsiderar a magia do virtual, vale dizer que a beleza de toda ficção surge de relações carnais, apenas através do abraço que é possível sentir a grandeza da menina, só através do toque que se sente a sagacidade, só através da troca de experiências que se aprende algo novo, no entretenimento coletivo surgem competições através da qual nascem ódio e altruísmo, onde é necessário ter aceitação e arrogância, se trata de muitos ingredientes que temperam novas idéias, onde dentro do clima que a verdadeira rede social produz, surgem inesperados encontros que apimentam a sensação de que tudo isso é real e que portanto, mesmo em meio a tragédia, surge a impressão de que algo bom vai acontecer. 

terça-feira, 5 de março de 2013

Quarta-Feira



 Irremediavelmente todo fevereiro tem seu fim, é o fim da folia, é também o fim da ilusão.

 Já em março, tomado pela doentia percepção do real, aquela textura metafísica do todo é diluída pelo ruído do despertador, é o fim da batucada, é hora de pendurar os adereços, mostrar a cara, dar a cara pra bater, nesse confronto com a realidade briosas alegorias são substituídas por perigosos andaimes, o harmônico repicar dos tamborins dão lugar ao perturbador estalar dos teclados, a efusão e o altruísmo coletivo cantado em blocos são esquecidos em assembléias onde vizinhos se atacam discutindo razões egoístas.

 Em um mês de escárnio, de idolatria ao ócio, regido pela boemia, pela pesada maratona carnavalesca, muitas lições são apreendidas, lições essas que só podem ser percebidas em cenário fantasiado, sob enredo fantasioso, uma vez que, a atmosfera de fevereiro contamina pulmões sedentos, seus ares são respirados por pulmões enrustidos que por sua vez se libertam e distribuem ao organismo substâncias que elevam as percepções sensoriais, os sentidos são aguçados em um nível tão alto, que eles captam apenas sensações que conduzem ao prazer, o mês de fevereiro portanto, permite ao vivente sentir o verdadeiro deleite do corpo humano, suas funções motoras e toda complexidade que nele há, não foram projetadas apenas para funções rudimentares de necessidades diárias pregadas pela convenção social, o verdadeiro potencial intelectual do corpo humano só é acionado em meio ao carnaval, contudo, ao fim da estação do primeiro bimestre, a forte abstinência recai sobre os sobreviventes, uma sufocante abstinência que é curada gradativamente pelas boas lembranças vividas no emblemático fevereiro.

 Enfim, nas cinzas é possível perceber, perceber o valor do enredo, dos enredos que confeccionam o ambiente, que trilham e cadenciam a dança daquela morena em seus braços, que remexe, que balança até o sol raiar, raiar do sol que ilumina as cores do olhar, olhar ingênuo de brilho fixo e sagaz, que revela todo o mal que o fim do Fevereiro traz.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Embaixador da saudade




O personagem da canção "como nossos pais", exorta seu ente antecessor quanto às boas coisas da contemporaneidade no trecho:

"Mas é você que ama o passado 
E que não vê
Que o novo sempre vem"

Onde subentende-se que seu ente mais velho se opõe à novas idéias demonstrando apego ao clássico e resistência ao novo, tal exortação se faz valer sob a noção do contínuo surgimento de soluções para problemas do passado superados no presente graças ao surgimento do novo, da nova idéia, todavia, nem o maior dentre os saudosistas se contentaria apenas com o canto do galo, com a cela do cavalo e com os arpejos do alaúde, certamente tal saudosista estaria em melhores condições ao despertar com a chiada sintonia da vinheta da rádio novela matinal, pegar o bonde com destino ao centro da cidade a fim de apreciar a peça de metais e percussão, tal exemplo, justifica o caráter saudosista do ser humano independentemente da época, afinal, as rádios novelas sucumbirão diante do cínico cinema áudio e Visual, os passeios de bonde serão substituídos por Cadillacs e aviões, os pequenos concertos serão abrigados em majestosas salas de acústica eclesiástica e os modestos salões de becos serão eletrificados por poderosa amplificação, se trata da natural mutação do todo, pois holograma e teletransporte dispõem de maior eficácia em relação à cavalos, ônibus e celulares, pois possuem características incontestáveis de grande utilidade e bem público, entretanto, ainda assim, serão criticados pelos saudosistas da época vindoura.

Contudo, é possível observar que o saudosista descontente com o novo, assume tal postura por possuir boas experiências com o que caiu em desuso, ele lamenta com grande pesar pela obsolescência da barbearia do simpático seu Manoel, nobre velhinho que cuidou em ornar seu aconchegante salão com artefatos campestres, salão trilhado por boleros, de iluminação mercúrio bem tênue e com cheiro de talco, um bom ambiente derrotado por luxuosos e ofuscantes salões intitulados de estúdios da beleza. 


A boa experiência com o que passou é rememorada durante o garimpo de caixas empoeiradas, onde se encontram antigos panfletos de sapatarias, bicicletarias, botões e parafusos de vídeo games, anúncios de lojas de segmentos especiais hoje extintas e vencidas por hipermercados e lojas virtuais. O confronto com elementos e acessórios de épocas antigas permite ao saudoso  voltar no tempo, enquanto ele divaga sobre o fôlder encontrado no fundo da caixa,  lhe vem à memória o chegar da noite que traz consigo o estalar das lâmpadas mal conectadas ao bocal e seu marcante ruído de eletricidade escapando por entre os fios, da configuração circular das mesas que favorecia o flerte entre os futuros casais, do cardápio com capa de madeira que favorecia o batuque durante as canções de Jovelina Pérola Negra, da estrutura modesta, porém agradável do charmoso restaurante mineiro, hoje transformado em uma loja de fast food pelos herdeiros da finada dona Delfina .

Nessa tônica do dia da saudade, vale destacar a existência daqueles que pouco se lembram do que passou, isso demonstra pouco impacto e pouca relevância aos dias vividos, a ausência de saudade aponta um triste hiato nos dias passados e que portanto, pouco se tem para se trazer a memória.

Quanto ao que tem de ruim no dia presente, devemos atribuir isso à composição do que havia de bom no passado,  quanto ao que tem de bom nos dias de hoje, é a soma do que havia de ruim em épocas atrás, sendo assim, é possível dizer que o presente é refém de ações passadas, o que pela lei do tempo faz com que o presente do futuro sempre tenha os seus representantes saudosistas, os embaixadores da saudade.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Childs in time




Não se trata de sucesso ou fracasso, se trata de sorte, a fortuna está por conta da boa vontade da casualidade, pois bendito foi o dia no qual Johan Cruyff implantou no time catalão o fino toque de bola setentista da seleção canarinho, abençoado foi o dia quando o pequeno Lionel embarcou rumo à Catalunha em busca de um sonho, ora, a combinação dessas duas circunstâncias deu origem ao mito "Messi", quatro vezes melhor do mundo, "La Pulga", o rei do maior time do planeta Barcelona F.C, podemos citar também a fim de mostrar a onipotente vontade da casualidade, a banda de rock britânica "Led Zeppelin",  que graças à sorte pôs John, Jimmy, Robert e John Paul no mesmo caminho, tal união gerou um extraordinário fenômeno, gerou a maior banda de rock de todos os tempos, poderíamos também citar inúmeros exemplos da força da casualidade que ao longo da existência reuniu seres compatíveis em terrenos férteis, realizando através desses encontros harmônicos grandes personalidades políticas, milhares de artistas, admiráveis obras e grandiosos feitos decorrentes desses felizes encontros. 

Ao considerarmos que acontecimentos dependem de uma força inconcebível, impalpável e indissolúvel, pois essas são as características do acaso, admitimos que toda preparação e investimento são insuficientes diante da grandeza da casualidade, pois será ela quem determinará  as regras do jogo, a desconhecida vontade do acaso irá ditar a velocidade do vento, a temperatura da luz, o volume da massa, a altura do som , o relevo do ambiente e as peças que irão compor o tabuleiro, o resultado desse jogo e o desfecho desse acontecimento, serão frutos da combinação de tudo o que foi concedido pelo acaso durante o período desse jogo, com isso, em meio a tantos episódios, é possível que surjam, Newtons e Einsteins, Pelés e Maradonas, Jobins e Jacksons, Marxs e Lulas, bem como, Hitlers e Mussolines.

Tudo isso extingue a determinação de fogo, a insuficiência da determinação dará lugar ao ventura, ventura com "ve" maiúsculo, pois esse Ventura hora é bom, hora é mal, naquele dia o Ventura bendito foi, pôs no centro do tabuleiro o radiante sorriso da bela capoeirista maestra de bateria, nos concedeu também a presença de duas entidades protetoras, Pai de fogo e Iemanjá a rainha do mar, incluiu o vasto conhecimento hindu através do nova-delhino jogador de basquete e dançador do baião de Bombaim, não raro, as consagradas cordas do bandolim do Xingu sucumbiram diante do cantar da mamãe Lúcifer, houve riso e deleite por parte das presentes hermanas que foram acalentadas pelas aterrorizantes barbas nordestinas da Al Qaeda, em contrapartida, não houve despedida digna da grandeza dos presentes, contudo, conforta saber que na estrada não há despedidas, afinal, há muitos oceanos para serem desbravados, muitos relevos a serem explorados e contemplados do alto do farol ou a bordo de um bote em morena companhia.

Em tempo, realizações virão, resta saber pra onde a sorte nos levará.