sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Shadow Song.


Elevar o corpo ao seu limite é algo que há muito não fazia, exceder a capacidade do corpo me trouxe alguns prejuízos inesperados, o vigor da adolescência já não me blinda de lesões e dores musculares.

Novembro de 2009 foi o período em que meu corpo mais sofreu por conta do esforço exagerado quando acompanhei o impetuoso exército pró AC/DC, foram mais de trinta e cinco horas com os olhos flamejantes, com os rins fervendo sob altas doses de uísque e latões de cerveja, sem mencionar os sucessivos vai e vem enquanto confraternizava com todo o Brasil que compunha a imensa fila, somando toda essa energia gasta antes do show com o esforço utilizado durante o show, eu me tornei apenas mente e alma, meu corpo simplesmente deixou de existir, quando enfim cheguei em casa senti o alento e apreciei as boas lembranças daquele memorável dia, entretanto, o dia seguinte, o dia que seria dedicado ao descanso do meu judiado corpo, era o mesmo dia em que me encontraria com uma bela candidata à vocalista da minha então banda Super Malte, em virtude da minha incapacidade de me manter em pé eu decidi ligar pra essa bela moça e adiar o tão esperado encontro, porém, a maldita não atendia o telefone, impossibilitando assim o cancelamento do nosso compromisso, com isso, fui obrigado a cumprir com minha palavra, mesmo em condições extremas fui me encontrar com a dócil candidata, ainda no caminho eu lamentava e suportava a dor do meu corpo destruído, quando enfim cheguei ao local do encontro, eu sentei, pedi um chope ao garçom e comecei a torcer para que a moça cujo a qual eu esperava não comparecesse, afinal, eu queria ir pra casa e reencontrar meu colchão, todavia de modo radiante e hipnótico a bela ruiva shadowcat surge para anestesiar minha dor, milagrosamente eu consegui me levantar para saudá-la, ela com profunda intimidação reduziu-me com seu altivo tom de voz, tamanha graciosidade me fez esquecer da penúria que era estar ali, foi um encontro que correspondeu as expectativas, por conta de um triste erro de comunicação após o nosso acordo selado aquele dia, o intento que eu e a shadowcat cravamos não progrediu, entretanto, afirmo que o sacrifico que fiz aquele dia para manter minha valiosa palavra foi recompensado pelo sorriso afável da mística lady, nesse dia fui abençoado ou talvez amaldiçoado pelo lúdico olhar da shadowcat , a poderosa técnica ocular da bela vocalista provavelmente contribui com minha rápida cura, no dia seguinte estava viril como nunca.

Dentre tantos atributos estéticos valiosos demonstrados pela shadowcat, resta agora apenas descobrir a força de seu misterioso vocal, talvez meu vocal etílico harmonize com sua voz tênue, talvez. Isso é algo que vamos descobrir.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Licença poética.

Não chega a ser um culto ao corpo e sim um enorme cuidado à sua preservação, quer queiram ou não queiram, o corpo humano é a única certeza concreta de existência, de vida, existem inúmeras teorias do pós morte, várias especulações, algumas até que coerentes, porém, a única evidência real e palpável de vida está nas dimensões concretas do planeta terra, o que fugir dessa órbita não passará de apostas, é jogar no duvidoso, é julgar o sobrenatural, como não sou especulador fico com o que me foi revelado, logo assim, tenho que me preocupar com minha saúde plena, saúde mental, trabalhar o meu bom humor, deleitar-me nos bons momentos, cultivar meu tempo de vida útil, explorar a força da minha então juventude, me comprazer com meu jato forte de urina, com minhas velozes pernas, dar uma volta ao mundo, uma não, duas ou três, ou quem sabe cinco ou seis. Por conceber essas questões, percebi que estava beirando o sedentarismo, perdendo minhas características atléticas, nesse meu despertar, decidi na manhã de ontem acordar após o canto do galo e dar início ao meu condicionamento físico, tenho um metro e setenta e sete de altura que comportam setenta e nove quilos, quilos e gramas bem distribuídos, mas longe da desejada vaidade estética, são cinco quilos de distância que perderei em poucos dias, preciso estar em plena forma para a saga de final de ano. Nessa de acordar cedo, me reencontrei com os peculiares acontecimentos matinais, o mágico vigor presente apenas em manhãs de verão embeleza lindas moças dentro de calças-leg durante caminhadas matinais, talvez essa força das manhãs tenha contribuído com o contagiante bom humor de uma bela senhora quarentona que me interrompeu durante minha corrida no parque para me dar bom dia, vale dizer que nunca ouvi um bom dia tão contagiante e verdadeiro, quase que apaixonante, tal situação favoreceu minha dedicação nesse meu propósito estético, quero chegar aos quarenta com o mesmo espírito da bela Taila, senhora com sorriso de menina, com corpo de mocinha, com sabedoria de senhora e com olhar aventureiro, até sugeri a ela que patenteasse aquele caminhar, caminhar com fulgor poético, uma obra de arte.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

O São Francisco o Mississipi.




Não assumo postura partidária, embora tenha uma posição política bem definida e fundamentada em finalidades, estimo a importância dada à inclusão social e à educação, considerem um pastor evangélico natural da Amazônia ou uma madre católica ambientalista, ambos certamente não trariam benefícios à minha cidade natal, hoje o ensino fundamental municipal de Osasco dispõe do melhor método pedagógico dentro da cidade, goza de estrutura necessária para condições plenas de ensino, não obstante às inúmeras atividades extracurriculares, tudo isso posto de frente às unidades de ensino particular mostra a competência do governo osasquense no que se refere a educação, o ponto lastimável é que tudo isso dura apenas quatro anos, após isso nossas crianças são entregues ao ensino estadual e o resultado disso todos estão fartos de saber.

A xenófoba paulista Twitteira que queria afogar os nordestinos, de modo ufanista carrega a bandeira tucana e mostra que seu grau de instrução é semelhante ao que Covas, Alckmin e companhia pretendiam e pretendem instituir em São Paulo, ela falou em afogar e percebi que tenho que urgentemente aprender a nadar, tenho que aprender para seguir o bom exemplo do mestre Sonny Boy Williamson que morreu após salvar uma moça que se afogava nas águas lamacentas do Rio Mississipi, Sonny Boy em sua condição sexagenária não resistiu ao esforço que utilizou ao salvar a moça e morreu, tenho que aprender a nadar para não fazer feio nas águas do rio São Francisco, penso que certamente após o shuffle de doze compassos que tocarei ao lado de Mr. Edu com seu violão dobro envenenado às margens do São Francisco, debaixo de um escaldante sol, irei mergulhar na forte correnteza do bento Rio que abençoa o nordeste, venho de uma família de excelentes mergulhadores, com certeza não terei dificuldades nesse aprendizado, olhando por outro lado, não estou em condições de apontar o conceito premeditado de Mayara Petruso, tampouco condenar Edgar Scandurra com sua bela poesia em Pobre Paulista onde ele retrata sua “supremacia paulista sobre os nordestinos”, afinal eu também sou um maldito xenófobo, um ser humano de quinta categoria no que se refere a raça e xenofobia, a prova disso é que agora em dezembro irei para o nordeste lançar oficialmente meus baiãos, belas composições, belos tributos aos construtores de São Paulo, nessas canções percebi que sou um apologista do povo nordestino, lembro-me do período em que trabalhei no ramo de hotelaria onde os turistas nordestinos tinham tratamento de reis quando a recepção estava sob minha gestão, quanto aos britânicos e gaúchos não posso dizer o mesmo, considerando isso, não posso ser hipócrita, tenho que respeitar a posição de Scandurra, afinal, o Nasi seu companheiro de banda é um cantor talentosíssimo, diferente de Zeca Baleiro, não vamos agora comparar o talento de um Paulista com o talento de um Maranhese, seria uma enorme covardia por na arena um ser desenvolvido nascido em uma grande metrópole diante de um nordestino do mato, José Serra que o diga, ele sentiu isso na pele quando duelou com Luiz Inácio Lula da Silva no debate da rede globo na corrida presidencial, o final desse duelo todo mundo já sabe.

Esses recentes alardes que ecoam pelas redes sociais me fazem querer tirar férias de São Paulo, estou contendo o enorme anseio de decolar para o nordeste e me deleitar à base de muito Slide Blues no seio das belas eleitoras de Dilma Rousseff, tenho que aguardar até dia quinze quando Mr. Edu estará livre de seus compromissos profissionais, livre para essa turnê missionária, tenho também que participar do trigésimo aniversário de minha querida irmã, será uma grande comemoração com as melhores bandas de classic rock de Osasco, tudo isso me faz conter esse fervoroso desejo de migrar para o lugar de onde vim. Mas está tudo bem, falta muito pouco, logo mais irei ter com os meus.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Eu gosto de Juazeiro e adoro Petrolina.


Maldito corpo humano, corpo frágil aos efeitos do verão, pobre aparelho digestivo que se confunde com sorvetes e uísques, frangos fritos e brócolis refogado, panturrilhas desprevenidas a forte maratona de três dentro três fora*, os olhos ardem com a alta temperatura e por falta de descanso noturno, a barriga de chope cresce e diminui, oscilação proveniente do desarranjo intestinal causado pelo desrespeito alimentar nessa época do ano, a empolgação fruto do bom humor comum nessa estação lhe submete a perigos, maldito corpo humano, incapaz de resistir aos perigos virais, perigos e fragilidades que nos fazem medir tempo e medo, desconfio que essa penosa gincana que enfrentamos nos dezembros esteja fragilizando minha mente, como se não bastasse a dor do corpo, também o cansaço mental, estou um pouco cansado da poluição, eu quero é Petrolina, eu quero é Juazeiro.

Ai ai baianinhas! Oh pernambuquinhas! Me esperem que eu vou já.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Seu Paulo .


São Paulo Futebol Clube, ora, o adjetivo "São" é nada mais que uma abreviatura de Santo, o que permite dizer que o nome do clube paulista foi uma homenagem ao apostolo Paulo, o maior difusor do cristianismo, o mesmo Paulo criador do celibato que eventualmente orientava os seus discípulos do sexo masculino a absterem da relação sexual, alegava que a mulher seria a principal razão de perdição, por tais ensinamentos os sacerdotes líderes da igreja católica honram o celibato e reafirmam o conceito do outrora Saulo de que a mulher é a perdição do homem.

Em assembléias cristãs e concílios existem controvérsia quanto a posição do apostolo mais influente do novo testamento, os que desbocaram para o protestantismo de Martin Lutero optaram pelo prazer ao lado da mulher, já os conservadores inquisidores do vaticano preferiram manter a posição “suspeita” de Paulo, suponho portanto, que os fundadores do São Paulo Futebol Clube (ressaltando que não passa de mera suposição), prestaram essa singela homenagem ao apostolo Paulo ao nomear a instituição esportiva com seu nome, “São Paulo”, por compartilharem dessa idéia de que o prazer ao lado da mulher é dispensável, assim portanto, nasceu o “SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE”.

Ontem dia sete de Novembro foi instituído um novo nome ao tricolor do Morumbi, a partir de então, “São” só Marcos, o anteriormente São Paulo. F.C agora é “Seu”, “Seu Paulo”, explicarei o porquê, é sabido que dentro do futebol existem fervorosos clássicos regionais, citarei os principais, Boca Jr e Riverplate, Barcelona e Real Madrid, Internacional e Grêmio, Vasco e Flamengo e o principal deles Palmeiras e Corinthians, esses mencionados duelos entre as principais equipes locais são o ponto máximo dessas equipes dentro da competição no que se refere ao duelo entre torcidas, tudo isso, embeleza e aquece esse clima de rivalidade, no entanto, fatalmente em muitos casos culmina em violência, mas a verdadeira violência é a que o São Paulo, ops, “Seu Paulo” pratica contra o derby da capital paulista, o mencionado derby é o principal clássico local, só que ontem foi confirmado o desequilíbrio existente nesse combate de décadas, ontem foi confirmado o apoio incondicional que o S.P.F.C. dá ao seu suposto rival Corinthians, isso sem mencionar o idolatrado grafite que utilizou de um ufanismo exacerbado ao comemorar o gol que privou o Corinthians do rebaixamento no Paulistão de 2004 quando ainda ultrajava o manto seupaulino, toda essa proteção e apoio da parte do tricolor paulista dedicada ao Corinthians é histórica, o que desequilibra a igualdade competitiva entre Palmeiras e Corinthians, afinal quando o Palmeiras enfrenta o Corinthians, também está enfrentando o súdito São Paulo, o grande São Paulo que se empenha para presentear o seu Ídolo no ano de seu centenário, acreditem, a diretoria tricolor e todo elenco seupaulino se dedicará para conceder o título do brasileirão ao seu todo poderoso timão. Por outro lado, o Palmeiras dentro de suas condições irá atrapalhar essa estrada romântica trilhada por Marco Aurélio Cunha e Andrés Sanchez, pois quando o Corinthians fica nas mãos do Palmeiras o final para o time da marginal é sempre triste, São Marcos que o diga, assim portanto, já que tricolor assumiu sua postura subordinada ao Corinthians, eu sugiro que o Clube São Paulo abdique do Título de santo, pois santos são seres que estão para serem idolatrados e não para idolatrarem, essa história de amor vivida por São Paulo e Corinthians mostra a supremacia do time alvinegro sobre o time tricolor, com isso, “São” só Marcos, São Paulo agora se chama Seu Paulo.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

João Piauí



João Piauí nunca foi um exemplo de bom avô, diferente de Manoel Correia, nesse caso, as gerações sucessoras de João Piauí e Manoel Correia foram bem representadas pelos cinco à cima, seguidores do padrão de determinação do Correia e do alcolismo do lendário John.

Uma foto bem configurada, o regente principal no meio, a double trouble masculina nas extremidades superiores e as nossas mulheres sob nossa regência e cuidado.

Quanto ao caçula Rafinha, este ainda não bebe, por isso ausente.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Detrás do pedestal!

O reef principal de “all your Love” interpretado por Rafael Saluotto foi o ponto máximo do frenesi na minha condição de expectador, reef cortante, me fez descer 300ml de alambique goela a baixo em meio segundo, olhei pro lado e vi meu irmão em passos de samba rock tragando o pescoço da bela afortunada (essa sim estava em pleno frenesi), olhei pra esquerda e percebi que o espírito lascivo havia dominado a garagem de minha casa, a grande maioria estava com os lábios ocupados, todos movidos pelo ímpeto do slowblues, movidos pela classe de Rafael e o feeling da double trouble Blau and Raldo.

O bom anfitrião cadencia o tempo de modo hábil, atende a todos, sem acepções, mas eram tantos bons rapazes, tantas belas meninas, por eu ser só um me deparei com um agradável árduo trabalho, com isso, para atenuar minha sobrecarga me esquivei de todos e me infiltrei no bento palco sob a benção do trio cortante e trouxe todos a mim através do potente shuffle em MI, os introduzi na sagrada cama do blues em LÁ maior, a conseqüência de tudo isso foi libertadora, libertadora para todos, não ousarei falar dessa libertação, ela é individual, cada um com suas razões, percebi isso por detrás do pedestal.

Foi uma visão futurista, profética, os próximos dias serão férteis.